sábado, 11 de janeiro de 2014

Orientações Nutricionais Doença Celíaca


O Glúten é uma massa viscosa e elástica que permanece após lavagem exaustiva da farinha de trigo, de centeio, de cevada, e possivelmente também da aveia. Dentre destes, a fração proteica gliadina é a responsável pelas manifestações de sensibilidade ao glúten que muitas pessoas apresentam com efeitos adversos principalmente no intestino e na pele.  O glúten compreende a fração solúvel em álcool, as prolaminas, não solúveis que são as glutelinas. As possíveis explicações para esse transtorno são: intolerância causada pela falta ou insuficiência de uma enzima capaz de digerir a gliadina; ação do glúten como um citotóxico; ou ainda a hipótese da lectina, proteína ligante de açúcares ou glicoproteínas de origem não imunológica, devido essas moléculas causarem aglutinação de células. Em particular agiriam com as glicoproteínas das bordaduras em escova das vilosidades, causando agressão á essas.
A enteropatia conhecida como doença celíaca geralmente se inicia quando as crianças são desmamadas e começam a receber cereais em sua alimentação. Mas também podem ocorrer entre 20 a 30 anos em adultos. Nestes casos são geralmente associados á problemas pós-cirúrgicos, ao estresse, á gravidez e a infecções virais.



DOENÇA CELÍACA: Intolerância permanente ao glúten consumido. Ela se manifesta como uma doença gastrintestinal. Doença celíaca latente: refere-se a indivíduos que apresentam testes sorológicos positivos ao gluten, mas sem alterações nas biopsias intestinais.

PROCESSO INFLAMATÓRIO DOENCA CELIACA.
A ingestão do glúten ativa as células T (linfócitos que entre suas funções ajudam as células B a produzir anticorpos durante respostas imunológicas) no intestino delgado s quais iniciam uma reação imunológica resultante na liberação de mediadores inflamatórios causando danos á superfície absortiva, o que provoca má absorção intestinal de nutrientes.

ATENÇÃO: Uma associação preocupante com a doença celíaca é a malignidade especialmente associada com linfoma de origem das células T, sugerindo que o estimulo crônico pelo glúten esteja envolvido.


DIAGNÓSTICO
Biopsia de intestino delgado é considerada o padrão ouro para diagnóstico de enteropatia sensível ao glúten, conforme a Nutrition Foundation task force.
Entretanto, o uso de testes sorológicos tem ajudado com um método relativamente barato para IgA-tTG Elisa. 

Um outro teste é através da determinação do anticorpo antigliadina. Este teste funciona da seguinte maneira: consumo de 10g de glúten por dia, durante quatro dias, em crianças pela ingestão de fatias de pão por dia. Além da observação do retorno de anormalidades da mucosa intestinal.




TABELA 1: Manifestações Extra Intestinais da Doença Celíaca
Sistemas
Manifestações
Hematopoiético
Anemia, púrpura hemorrágica
Esquelético
Osteomalacia, osteoporose
Muscular
Cãibras, tetania, fraqueza
Neurológico
Neuropatia periférica
Endocrino
Hiperparatireoidismo, insuficiência adenocoritcal
Cutâneo
Hiperqueratose, deficiência de vit A, petéquias, dermatite, herpetiforme com depósitos granulosos de IgA (joelhos, cotovelos)
OBS: Em crianças geralmente aparecem diarreia, anorexia, irritação ou depressão com outros comprometimentos neurológicos. Também á sugestões com a relação com a síndrome de down, epilepsia. Já em adultos, o diagnóstico é mais difícil e tardio.


TRATAMENTO
Inclui uma dieta alimentar isenta de glúten, combinando: Amidos de milho, batata, mandioca, inhame e outros ingredientes como fermento biológico, sal e ovo foram preparados como pães sem glúten e de boa aceitação.
As causas prováveis destas manifestações estão associadas a múltiplas deficiências de nutrientes tais como: ferro, vitaminas B12, B6, hipoprotrombinemia por falta de vitamina K, comprometimento de absorção de vitamina D e depleção por cálcio.

TABELA 2: Alimentos permitidos em dieta sem glúten
Leite
Fresco, em pó, evaporado, condensado, creme.
Carne
Todos os tipos de carne fresca, peixe, produtos preparados com carne.
Queijos
Todos os tipos de queijo como cheddar, parmesão, requeijão
Ovos
Puros ou em preparações
Batata ou outros feculentos
Batatas, arroz, talharim sem glúten, talharin de soja
Vegetais
Todos os vegetais frescos, ou congelados, feijões, lentilhas, produtos comerciais sem glúten
Frutas
Todas as frutas frescas, ou congeladas, ou em conserva
Pães
Somente pães especiais sem glútem
Cereais
De fubá, creme de arroz
Farinhas e espessantes
Fécula de araruta, amido de milho, fécula de mandioca
Produtos
De farinha de milho, fubá, batata, arroz doce
Produtos com leite e ovos
 Assados de farinha de milho, batatas, arroz doce
Produto secos com outras farinhas
Farinha de batata e arroz
Biscoitos, aperitivos
Bolinho de arroz, tortilhas – omeletes de fubá, pipoca, bolachas sem glúten
Gorduras
Manteiga, margarinas, gorduras hidrogenadas, maionese sem glúten
Sopas
Caldo feito em casa com ingredientes permitidos
Sobremesa
Bolos, pudins preparadados com ingredientes permitidos, amido de milho ou mandioca
Bebidas
Café, chás, coco, vinhos não licorosos, vodca a partir de uvas
Doces
Gelatinas, frutas, mel, geleias, alguns confeitos, cacau puro, coco.
Miscelânea
Sal, pimenta, ervas, picles, condimentos sem glúten