segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Pensamento Gordo ou Magro?

O lado psicológico é fundamental na hora de encarar o desafio de perder peso, por isso a primeira atitude para quem quer emagrecer é mudar o relacionamento que tem com a comida e livrar-se desses pensamentos que podemos chamar de sabotadores da dieta!
 Confira abaixo:
1. Sobre a fome e a vontade de comer:
- Pensamento gordo
Quem pensa gordo considera fome qualquer vontadezinha de comer. Pouco depois de uma refeição, se sente vontade de traçar um sorvete, quem pensa gordo não hesita em fazê-lo sob a justificativa: " bateu uma fome de sorvete..."
- Pensamento magro
Na mesma situação, quem pensa magro resiste a tentação: " Gostaria tanto de tomar sorvete, mas acabei de comer". E não come. 

2. Sobre a tolerância à fome e o desejo incontrolável de comer
- Pensamento gordo
Quando sente fome ou tem desejo de alguma comida, quem pensa gordo não aguenta esperar pela próxima refeição. A fome ou o desejo de comer são encarados como uma emergência. Ele não consegue se desligar. Fica remoendo essas sensações e pensando apenas em comida, ansioso para saber quando poderá comer novamente.
- Pensamento magro
Quem pensa magro consegue se desliguar. É capaz de driblar a fome ou o desejo de comida e esperar pacientemente pela próxima refeição.

3. Sobre quando parar de comer:
- Pensamento gordo
Quem pensa gordo não sabe a hora de parar de comer. Sente compulsão por esvaziar o prato, o pacote de salgadinho, o pote de sorvete ou a caixa de chocolate. Gosta inclusive da sensação de ter comido exageradamente.
- Pensamento magro
Quem pensa magro come até o ponto em que se sente razoavelmente satisfeito. Ainda que a comida esteja deliciosa e o prato não esteja vazio, ele acha melhor cruzar os talheres do que continuar a comer. Duas bolachas foram o suciente para matar a fome? Pois bem, o magro fecha o pacote e guarda o resto para depois.

4. Sobre quanto comer:
. Pensamento gordo
Quem pensa gordo não presta atenção enquanto come - e, com isso, ilude-se frequentemente a respeito do tamanho das porções. É capaz de devorar um pote de sorvete em pé, ao lado da geladeira, ou um pacote de batatas fritas enquanto vê televisão.
. Pensamento magro
Geralmente, quem pensa magro tem uma idéia de quanto come. Quando exagera, automaticamente come menos na próxima refeição.

5. Sobre o bem-estar proporcionado pela comida
. Pensamento gordo
Diante de um aborrecimento ou tristeza, quem pensa gordo costuma buscar conforto na comida. É como se o ato de comer tivesse o poder de desviá-los dos pensamentos negativos ou de aliviar-lhe o sofrimento psíquico. Não se dá conta, porém, de que esse bem-estar é passageiro.
. Pensamento magro
Se está chateado ou triste, que pensa magro costuma perder a vontade de comer. Jamais recorre à comida para aliviar suas aflições psicológicas.

6. Sobre ganhar peso
. Pensamento gordo
Ao ver a balança subir (ainda que um pouco só), quem pensa gordo é tomado por sentimentos negativos, como uma profunda sensação de desesperança e desamparo: "Nunca conseguirei emagrecer" ou "Isso é terrível". Para compensar essa frustração, ataca a geladeira.
. Pensamento magro
Ganhar um pouco de peso não representa nenhuma catástrofe para quem pensa magro. Ele acredita que voltará a emagrecer e se mantém firme na dieta - reduz ainda mais a quantidade de calorias ingeridas e aumenta a intensidade dos exercícios físicos.

7. Sobre quanto as outras pessoas comem
. Pensamento gordo
É típico de quem pensa gordo o sentimento de injustiça. Ele não se conforma com o fato de que outras pessoas possam comer tudo e na quantidade desejada. Não se dá conta, no entanto, de que a maioria dos magros tem de se esforçar para manter-se na linha.
. Pensamento magro
Quem pensa magro tende a aceitar com resignação as restrições alimentares. Na maioria das vezes, come porções menores do que gostaria e deixa de ingerir determinados tipos de alimentos, mas não faz disso um tormento. Não fica, por exemplo, o tempo todo pensando no bolo de chocolate ou na coxinha que teve de recusar.

8. Sobre o fim da dieta
. Pensamento gordo
Quando emagrece, quem pensa gordo tende a interromper a dieta e a retomar os antigos hábitos alimentares como se estivesse imunizado contra os quilos em excesso. Obviamente, volta a engordar e volta a fazer regime...É a vida sob efeito sanfona.
. Pensamento magro
Quem pensa magro sabe que o controle alimentar é para sempre. Encara essas restrições com naturalidade e, desse modo, até se permite cometer um excesso alimentar vez por outra. "

Então pessoal, conseguiram enxergar qual o tipo mais comum de seu pensamento? Se a resposta for 'pensamento gordo'. não se desesperem. 

Segundo alguns psicólogos, uma das formas mais eficazes em adiquirir um 'pensamento magro' seria através da a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que ensina, basicamente, reprogramar o seu cérebro para que ele passe a dominar a fome ou simplesmente a gulodice até o ponto em que você possa ignorar um prato de coxinhas da mesma maneira em que despreza aquele ex-amigo fofoqueiro.

Existem algumas técnicas que podem ser encontradas no livro Pense Magro - A dieta definitiva de Beck, da psicóloga americana Judith Beck, recém lançado no Brasil pela editora Artmed.

Sendo assim, vamos reprogramar nosso cérebro, fazer uma reeducação alimentar equilibrada e prazerosa para a vida toda, e uma atividade física regular para obtermos boa saúde?


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Inovação no Tratamento de redução de Medidas. Conheça Drenagem Lipossônica Ativa


O que é tratamento DLA?
A DLA (Drenagem Lipossônica Ativa) é uma nova técnica que proporciona reduções significativas em gorduras localizadas e celulites. O método consiste em combinar massagens com produtos desenvolvidos especialmente para o tratamento. Utilizamos equipamento de ultrassom com 3 cristais, totalizando mais de 50 watts de potência, resultando numa maneira segura de redução de gorduras com resultados imediatos.
Há riscos para a saúde? 
Os procedimentos não são invasivos e só podem ser aplicados por fisioterapeutas especializados e treinados na área. Cuidados essenciais são tomados para garantir um tratamento seguro, confortável e com resultado efetivo. Aparentemente, tem tudo para ser um sucesso na redução de medidas! 

Se a redução das medidas pode chegar a 27 cm na primeira sessão, para onde vai essa gordura? Após ser liquefeita, a gordura é drenada pelo sistema linfático e eliminada pelos sistemas excretores de nosso corpo.

Quantas sessões são necessárias para uma redução completa da celulite ou da gordura localizada? Após a primeira aplicação, a equipe de profissionais analisa os resultados e, com base nele, indica quantas sessões serão necessárias para se atingir a satisfação completa. Na maioria dos casos, até 3 sessões de 60 minutos são suficientes.
 

Os resultados duram quanto tempo?
A intenção de nosso método não é tornar o cliente dependente de nossa equipe. Após o tratamento, o cliente, satisfeito com suas novas medidas, geralmente se sente motivado a mantê-las com pequenos hábitos saudáveis de vida, como exercícios e alimentação, sem necessitar mais de nossos serviços.

Contra indicações: pessoas que estão em tratamento de cancer, hepatite, problemas circulatórios profundos. 

Opinião: Por ser um método não invasivo, acredito que não tenha problema em testar o tratamento, todavia não encontrei artigos cientificos que comprovem o feito a longo prazo e se realmente tem a ação de quebrar as gorduras. 

É sempre importante o BOM SENSO na hora de procurar esses tratamentos estéticos, lembre-se que alimentação saudável e atividade física são seus grandes aliados, e isso já é comprovado a anos!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Dicas pra observar a qualidade dos restaurantes

Restaurante pra ser bom, não precisa ser bonito e ser chique. 

voce já ouviu falar na escala de valores para os clientes? 

Se alimentação não for de boa qualidade, ela pode te trazer sérios problemas, como intoxicações alimentares, e ai o que era prático vai sair mais caro e complicado.

Para isso é importante observar alguns aspectos, e  ter consciência deles. 
Faça a sua escala de valores também. 

Para você o que é BÁSICO, ESPERADO, DESEJADO E INESPERADO quando frequenta um restaurante ?


Na minha opinião: 
Básico: Higiene e segurança de alimentos
Esperado: Bom atendimento
Desejado: agilidade, comida saborosa
Inesperado: Desconto na conta, couver de graça, atendimento personalizado.


Pensando na satisfação do cliente, segue algumas dicas para auxiliar na escolha

1-Eu imagino que você vai querer lavar as mãos antes de pegar o prato para se servir, então observe a localização dos banheiros. Estes não devem ficar perto do local de distribuição de alimentos, pois se estiverem próximos, oferecerão grande risco de contaminação.
Observe a colocação das pias também para higienização de mãos, estas devem estar em locais estratégicos para evitar que as pessoas contaminem os alimentos expostos.

2- É importante observar a postura dos funcionários que trabalham como auxiliar de cozinha. Eles  estão de toucas?  possuem pircens, brincos, barbas? perfumes com odor forte? Como esta o uniforme?, limpo e bem apresentado!? Higiene pessoal é fundamental e faz parte da postura profissional. Não se esqueça do funcionário que lida com o dinheiro no caixa, este também deve estar distante da comida.

 3- Observe os talheres e os pegadores, estes devem ser longos para evitar o contato direto com alimento. Infelismente nem tomo mundo, higieniza as mãos assim como você. 
Observe também se os talheres estão envolvidos em saquinho plástico,  e se estão bem higienizados, isso ajuda a não pegar poeira, e elimina o risco de contaminação.

4-  Quando frequentar um restaurante com serviço a buffet, observe se há vapor saindo das bandejas (se não tiver provavelmente a temperatura deve estar inadequada, e o alimento frio) Veja se os balcões dispõem de barreiras [tampa de vidro, por exemplo] que protejam os alimentos de saliva e fios de cabelo.

 5-ATENÇÃO: Observe quando o repositor vai ao balcão a maioria da reposição da comida exposta é feita de maneira inadequada. Quando determinado alimento chega ao fim no balcão expositor, os funcionários dos restaurantes simplesmente jogam uma nova quantidade por cima dele, em vez de lavar ou trocar as bandejas. Uma pessoa que vai almoçar no final do expediente provavelmente vai comer parte do que foi colocado na bandeja pelo menos quatro horas antes, tempo suficiente para que ocorra a multiplicação das bactérias.[preste bastante atenção nisso]

6-  - Visitar a cozinha do restaurante é seu direito, procure dar uma espiadinha! Será uma forma de poder conhecer alguns hábitos dos funcionários e até mesmo conhecer como eles trabalham. Na verdade a maioria das cozinhas tem agora um vidro transparente ou uma janelinha para que as pessoas possam ver como esta sendo o preparo, procure ser mais curioso neste sentido.

7- Observe a higiene do local ao redor, da mesa, do forro da mesa, se estão limpos. Se o funcionário do restaurante faz a troca dos forros quando necessário, ainda em cima da mesa observe o saleiro, os temperos que são oferecidos (geralmente concentra muita sujeira nesses saleiros de mesa, é importante observar como esta o aspecto) Veja também se os palitos e canudos, estão envolvidos por um papel ou plástico.


8- Observe a apresentação do alimentos! Recomendo antes de se servir, dar uma volta no buffet e observar todos os aspectos ligados a higiene bem como prévia decisão do que vai ingerir até porque assim voce evita exageros.  É importante que as sobremesas  e saladas estejam em cubas refrigeradas, separadas de acordo com a característica de cada uma. Tem algumas sobremesas que são porcionadas em copinhos plásticos, observe também a higiene da mesma e dos talheres utilizados.

 9- Por fim, evite almoçar depois do horário habitual, pois muitos restaurantes infelismente não tem o hábito de controle de temperatura. Muitas vezes a maioria dos alimentos fica muito tempo exposto, e a qualidade bem como a apresentação não vai ser a mesma.

Dica: Voce sabia que o profisisonal nutricionista é um dos principais responsáveis por garantir a qualidade da alimentação bem como bom atendimento nos restaurantes? Procure conhecer se existe esse profissional no restaurante que voce frequenta.
Sempre que houver elogios, críticas ou sugestões procure por esse profissional.


Denuncie irregularidades, e leve a sério o que você paga pra comer.
 
Fontes: http://nutridaih.wordpress.com/2011/09/17/dicas-pra-observar-a-qualidade-de-restaurantes/

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Como se posicionar no Mercado de Trabalho: para nutricionistas

Objetivo: esclarecer dúvidas referentes ao posicionamento do profissional nutricionista no mercado de trabalho, bem como a importância do marketing pessoal.

Temas abordados na Conferência:


  • Como se posicionar no mercado
  • Dicas de curriculo e entrevistas
  • Como encantar clientes
  • Quanto cobrar pelo serviço, realidade local
  • Materiais essenciais para desenvolver um bom atendimento clínico
  • Bate papo descontraído: esclarecendo dúvidas

Data: 25/09 Domingo
Horário: 09:00h (horario de Brasília)
Via Skype



Para participar, veja o Regulamento abaixo:

1- É necessário ter conta no Skype 
(para criar sua conta, baixe o Skype para Windows Grátis, acesse o LINK.)

http://www.dicasdenutricao.com/2011/09/como-se-posicionar-no-mercado-de.html


2- Cada turma será de 5 pessoas - as vagas serão limitadas.

3- Após aprovada sua compra, entraremos em contato por email para maiores informações.

sábado, 17 de setembro de 2011

Victoza (Liraglutida) – Novo remédio que emagrece, veja opinião.



O Victoza é o nome comercial do remédio que contém a substancia Liraglutida. Trata-se um remédio fabricado pelo laboratório Novo Nordisk, para o tratamento do diabetes tipo 2.
Esse medicamento já foi lançado nos Estados Unidos no ano passado (2010),  porém no Brasil foi lançado em apenas 3 meses e vem sendo muito usado como remédio para emagrecer, ação que não recomendada.

Victoza para emagrecer?

A edição de setembro da revista Veja mostrou como atua o remédio Victoza, contando a história de pessoas que usaram o remédio e emagreceram até 12 kg em cinco meses.
Um dos casos da reportagem da Veja foi o caso de Ana Paula Nogueira que nos últimos 10 meses, que  já havia testado pelo menos vinte dietas anteriormente, então procurou sua endocrinologista que lhe recomendou o liraglutida (Victoza). E então, depois de 32 dias emagreceu 4,5 kg.
A revista mostra em seu artigo um estudo feito pelo International Journal of Obesity, que mostrou que o remédio não houve nenhuns malefícios para coração, dado que provoca baixos índices na pressão arterial, e também nenhum dano cerebral.

Estudos feitos

Estudos foram feitos em pacientes obesos de fase I e fase II, que não são diabéticos, e apresentaram poucos efeitos colaterais que se atenuam com o tempo. A perda de peso foi significativa, na média 7 kg. Estudos feitos em pacientes em fase III AINDA estão sendo feitos em muitos países, dentre eles o Brasil.
Mas na reportagem feita pela Veja não mostrou o fato de que os estudos foram feitos apenas em obesos, com IMC acima de 27, que tinha complicações como pré-diabetes, hipertensão arterial e dislipidemia. Outros pacientes com sobrepeso foram excluídos do estudo.
Os estudos ainda estão no começo e podem demorar pelo menos um ano. Somente depois disso é que o medicamento estará disponível para ANVISA dar seu parecer para comercialização como medicamento para emagrecer.

Posição da Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) esclareceu alguns pontos a respeito da matéria da Revista Veja.
Segundo a Anvisa, o medicamento é aprovado e registrado na mesma, desde 2010, porém seu uso é “adjuvante da dieta e atividade física”  para conseguir um controle glicêmico para pacientes diabéticos  millitus tipo 2. Num dos relatóris da Anvisa apresenta efeitos adversos ao uso do Victoza que são hipoglicemia, dores de cabeça, diarréia e vômito.
Outro ponto que a vale salientar, de que até o momento não existe nenhum estudo ou  resultados apresentados a Anvisa, que garanta os efeitos do Victoza como agente emagrecedor.


Quem pode tomar Victoza?

O Victoza pode ser administrado por pessoas que são diagnosticadas pelo diabetes do tipo 2. O remédio serve para controle dos níveis de diabetes.
Pessoas que NÃO DEVEM em hipótese nenhuma:
  • Mulheres grávidas ou amamentando
  • Crianças
  • Pessoas com problemas renais
  • Pessoas com câncer
  • Alcoólatras
  • Pessoas com úlceras

Efeitos Colaterais

O uso moderado e adequado, quando administrado por médicos especializados, do Victoria tem trazido poucos efeitos colaterais, há queixas quanta a náuseas  e dores de cabeça.

Preço do Victoza e onde comprar

O preço do Victoza é, na média, R$ 359,00 para a solução com 2 sistema de aplicação 6MG/ML. Pode ser comprado em grandes farmácias em capitais. Ou também pode ser comprado em lojas virtuais, o que não é recomendável.

Doses Recomendadas

A dosagem é variável de paciente a paciente, e também de médico para médicos. Normalmente , a dose inicial varia em torno de 0.6 mg ao dia pelo tempo do tratamento.

Bula Victoza

Buscando informações sobre o medicamento, encontramos uma bula do remédio. Clique aqui e acesse a bula do victoza.

MUITO CUIDADO
Esse medicamento deve ser utilizado apenas por pessoas que tenham diabetes tipo 2, com recomendação médica.
Os efeitos do remédios ainda não são comprovados nem aprovados pela ANVISA.

domingo, 11 de setembro de 2011

ALERTA SOBRE AS INJEÇÕES DE GIRASSOL


Entidades como Conselho Federal de Medicina (CFM), Anvisa e sociedades de endocrinologia e dermatologia desaprovam este tipo de procedimento

Enquanto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discute a proibição de medicamentos para controle de apetite, como sibutramina e anfetaminas, clínicas de estética em todo o país buscam alternativas para atrair clientes que querem perder gordura sem esforço e sem entrar na faca. 
A opção do momento é a injeção de enzimas extraídas de girassol. A substância é sintetizada em laboratório e tem sido indicada para aplicação em áreas de gordura localizada. Mas entidades como Conselho Federal de Medicina (CFM), Anvisa e sociedades de endocrinologia e dermatologia desaprovam este tipo de procedimento. Profissionais de estética que aplicam as injções de enzimas (ou lipossomas) de girassol dizem que est substância quebra a gordura, que, em seguida, é eliminada na urina, sem sobrecarregar os rins e outros órgãos. E afirmam que as injeções (dez com intervalo de uma semana) não causam efeitos colaterais e não têm relação com o proibido lipostabil (a fosfatidilcolina). Este fármaco, inicialmente receitado para prevenir e tratar coágulos e embolia pulmonar, passou a ser usado para acabar com gordura localizada. Esta prática foi banida pela Anvisa por causa de seus efeitos colaterais, como formação de nódulos e inflamações. — Os lipossomas de girassol não oferecem risco. O tratamento pode ser feito até em diabéticos com doença sob controle. A contraindicação é gravidez — diz a fisioterapeuta Andreia Leitão, especializada em dermatologia funcional, que aplica o tratamento em São Paulo. — A aplicação pode ser feita em abdômen, coxa, costas, braços e joelhos. Ela admite que as injeções isoladamente não resolvem. E recomenda que a pessoa beba muita água para ajudar a eliminar a gordura dissolvida e evite comer gorduras e açúcares à noite, quando o metabolismo é mais lento. E sugere ainda o consumo de composto à base de plantas que aumenta a sede e facilita a eliminação da gordura. O pacote de aplicações custa cerca de R$ 2 mil. A Anvisa não reconhece e não registra produtos com os nomes “enzimas ou lipossoma de girassol” para a perda de gordura localizada. E diz que cabe à vigilância sanitária de cada estado fiscalizar e notificar possíveis abusos. Também o CFM não aprova. — Repete-se o erro cometido quando se disseminou a injeção subcutânea de polifenóis de alcachofra e que resultou em verdadeiros desastres, inclusive com a contaminação por bactérias resistentes. Não há evidência científica sobre esta pseudoterapêutica. É mais um dos modismos da denominada medicina estética — afirma Antonio Pinheiro, conselheiro do CFM, cirurgiãoplástico e coordenador da câmara técnica do Conselho que trata de produtos e técnicas em procedimentos estéticos.

Tratamento não tem comprovação científica Ele recomenda que o anúncio desse tipo de tratamento seja encaminhado ao Conselho Regional de Medicina para providências quanto ao Código de Ética Médica. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Ricardo Meirelles, usar enzimas extraídas de girassol para acabar com a gordura não tem fundamento. — Desconheço qualquer evidência científica que justifique esse tratamento — diz. Eliandre Palermo, diretora da Sociedade Brasileira de Dermatologia, não conhece estudo em revistas de grande aceitação e impacto científico sobre o uso de lipossoma de girassol injetável para tratar gordura localizada. Qualquer substância injetável, principalmente em uso estético, precisa ser liberada pela Anvisa para o fim que se destina.

CUIDADO COM OS MODISMOS, NÃO SE DEIXE ENGANAR!
 
Fonte: http://www.crf-mt.org.br/materias.php?subcategoriaId=4&id=816&pagina=11&id=1093&

sábado, 10 de setembro de 2011

O porder das Frutas Desidratadas. Ótima opção de Lanche para os intervalos




Em 1795, foi criada, na França, a primeira máquina de desidratar frutas e vegetais por meios não naturais. Porém, o consumo desse tipo de alimento só passou a ganhar espaço a partir da Primeira Guerra Mundial, em razão da necessidade de alimentação para tropas em combate. Com a segunda Grande Guerra, a mesma situação se repetiu, porém, nesse período entre 1939 e 1944, os Estados Unidos desenvolveram técnicas para a desidratação de mais de 160 tipos de vegetais. Com o passar do tempo, o desenvolvimento tecnológico vem atingindo também essa área e a produção de frutas e vegetais desidratados tem ganhado grande espaço comercial.

A desidratação é uma das principais formas de conservação das frutas e, industrialmente, é feita por meio de sua secagem, ou seja, retira-se água por meio do calor produzido artificialmente. As condições de temperatura, umidade e corrente de ar são acompanhadas com rigor para a maior qualidade do produto final.
As frutas desidratadas são ótimas fontes de vitaminas e minerais. O seu consumo deve ser moderado devido ao alto teor calórico, mas se aliado a uma alimentação equilibrada traz enormes benefícios à saúde. Um bom exemplo dessa riqueza é o damasco seco, que possui duas vezes mais vitamina A, o triplo de potássio e oito vezes mais ferro do que a fruta in natura .

Quadro 1: Frutas desidratadas e suas propriedades.
FRUTAS
PROPRIEDADES
Tâmara, ameixa, uva, banana, maçã e pêra
Rica em potássio. Sua carência ou excesso pode provocar dores de cabeça e câimbras.
Banana Desidratada e nozes
Ricos em magnésio, fundamental para a absorção do cálcio.
Noz, castanha e amêndoa
Contém vitamina B1. Sua carência provoca falhas na memória e dificuldade de concentração. Possuem cobre que facilita a contração das fibras do músculo cardíaco.
Castanha-do-pará
Rica em selênio, que impede a degeneração celular, pois envolve a membrana da célula e protege o sistema imunológico.

Quadro 2: Benefícios de algumas vitaminas e minerais para o organismo.
Vitaminas E Minerais
Benefícios P/ O Organismo
Onde Encontrar
Vitamina A
Bom desenvolvimento e saúde da pele e tecidos superficiais. Também é benéfica para a visão
Cenoura, fígado, ovos, leite integral, frutas secas.
Potássio
Alivia hipertensão arterial, regulador de atividades neuromusculares e é o complementa o sódio no equilíbrio hídrico do corpo.
Damasco seco, banana, batata, frutas cítricas.
Ferro
Indispensável para a produção de hemoglobina e transferência de CO 2
Fígado, grãos, frutas secas, beterraba.
Zinco
Essencial para a constituição de diversas enzimas e insulina. Tem grande importância no metabolismo de ácidos nucléicos.
Leite, fígado, farelo de trigo, frutas secas em geral.
Magnésio
Fortifica os ossos, dentes e cabelos. Atua na prevenção do câncer e cálculos renais.
Verdura, oleaginosos, frutas secas, mel.


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O que são Hormônios Bioidênticos?

De tempos em tempos, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) é obrigada a se manifestar sobre determinadas terminologias utilizadas por alguns profissionais (com frequência, não endocrinologistas) que pretendem ser “novidades” no campo da Endocrinologia, mas que, na realidade, muito mais confundem os nossos pacientes e mesmo os endocrinologistas.
 
Muito se fala, hoje, dos chamados “Hormônios Bioidênticos”, substâncias hormonais que possuem exatamente a mesma estrutura química e molecular encontrada nos hormônios produzidos no corpo humano. Esta nomenclatura está sendo utilizada indevidamente apenas para os hormônios manipulados, como se fossem novas opções de tratamento, quando, na verdade, há muito tempo hormônios bioidênticos são produzidos em indústrias farmacêuticas e estão disponíveis nas farmácias.


O uso do termo vem sendo feito com objetivos evidentemente comerciais, como uma forma de marketing. Quando um endocrinologista prescreve tiroxina, estradiol e progesterona natural, testosterona, hormônio do crescimento e outros, ele na realidade está receitando hormônios “bioidênticos”, no sentido de que são hormônios cuja fórmula molecular é igual à dos produzidos pelo corpo humano, apenas que não são “manipulados” em farmácias. No entanto, a sua estrutura molecular em nada difere dos produzidos pelo organismo humano. Os defensores dos “bioidênticos” manipulados dizem que eles podem ser feitos sob medida para cada paciente. Em comunicado oficial, a Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos (Endocrine Society) adverte que a fabricação individualizada de um hormônio é praticamente impossível de ser alcançada em função das inúmeras variações fisiológicas.

Não existem estudos científicos sérios que atestem quaisquer benefícios dos chamados “bioidênticos manipulados” sobre os medicamentos regularmente utilizados pelos endocrinologistas, produzidos por indústrias farmacêuticas com grande tecnologia.

Um aspecto mais sério e importante de discussão é que as manipulações hormonais não são controladas pelos órgãos de vigilância sanitária, ao contrário daqueles fabricados pelos grandes laboratórios. Quando prescrevemos tiroxina, temos à nossa disposição no Brasil quatro grandes laboratórios que utilizam alta tecnologia para a produção do produto em diversas titulações. Estamos falando aqui exatamente de um hormônio “bioidêntico”, uma vez que a sua estrutura molecular é idêntica à tiroxina produzida pelo organismo humano. Esta questão é tão evidente e clara aos profissionais que a utilizam, que não existe a necessidade de que seja explicitado na bula do medicamento que ele é “bioidêntico” (ou idêntico à tiroxina humana).

O grande apelo comercial dos hormônios “bioidênticos” manipulados é o de que eles seriam “naturais” e, por esse motivo, o organismo se mostraria capaz de metabolizá-los da mesma forma que faz com um hormônio do próprio corpo. Esta é uma linguagem metafórica para passar aos pacientes a idéia de que o hormônio “bioidêntico manipulado” é superior ao hormônio não manipulado. Além disto, a adoção da palavra “bioidêntico“ é muito questionada, porque não há nada de científico nesse termo. É uma mera questão mercadológica. Como comenta o ex-presidente da SBEM, Dr. Ricardo Meirelles, a palavra “bioidêntico” não existe nem nos dicionários dos Professores Aurélio Buarque de Holanda ou Antonio Houssais, nem no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras.

Os pacientes, mesmo de nível intelectual excelente, dificilmente irão questionar o profissional que está prescrevendo uma medicação que é um “recente avanço” no tratamento hormonal, isenta de qualquer risco porque são feitas sob medida para cada paciente, a chamada “modulação hormonal” ou “customização”. É uma linguagem já conhecida e que nos remete à linguagem da prescrição de “fórmulas” para emagrecimento ou para outros fins, nas quais cada princípio ativo seria específico para determinado paciente. Infelizmente, os pacientes desconhecem o muito frequente “desconhecimento” destes profissionais sobre os próprios princípios ativos que estão sendo utilizados. E como um modismo, outros profissionais passam a prescrever hormônios “bioidênticos”, tentando sempre passar a ideia de que seus produtos manipulados são superiores aos produzidos pela indústria farmacêutica. Isto não soa como ótima música para os nossos pacientes? Receber uma medicação “bioidêntica” manipulada, individualizada e sem risco? As farmácias de manipulação, alvo de tantas controvérsias anteriores, passaram a ter um mercado hormonal renovado, com objetivos definitivamente comerciais. E obviamente não existe tratamento hormonal sem riscos, uma vez que além da indicação adequada, o profissional deve ter conhecimento da farmacologia hormonal, assim como a farmácia de manipulação deve ter as condições de formular adequadamente o hormônio. 

Os especialistas em Endocrinologia profissionalmente sérios, desde o momento da definição clara de uma doença endócrina, usam de forma rotineira há várias décadas os hormônios bioidênticos. O tratamento tradicional de reposição hormonal com medicações como tiroxina, estradiol e progesterona natural, testosterona, hormônio do crescimento e outros, nada mais é que a prescrição de hormônios idênticos aos produzidos pelo corpo humano. Ou seja, há décadas estamos utilizando hormônios “bioidênticos”, no sentido de que são hormônios cuja fórmula molecular é igual à dos produzidos pelo corpo humano. Talvez deva ficar claro para os profissionais que utilizam “bioidênticos” formulados que nada de novo foi criado recentemente, que existe claramente um  apelo comercial no que está sendo feito e que o produto final manipulado nada tem de melhor que produtos industrializados de reconhecidas indústrias farmacêuticas. Além disto, a falta de uma fiscalização contínua sobre produtos manipulados é uma desvantagem em relação aos produtos da indústria farmacêutica, que são rigorosamente fiscalizados pelas agências de vigilância sanitária.