sexta-feira, 29 de outubro de 2010

IMAGEM CORPORAL


Você já conheceu alguém que estivesse insatisfeito com o seu corpo, mesmo visivelmente em boa forma?

Nós temos a percepção do próprio corpo, porém em alguns casos, ocorre confusão da imagem real com a imagem idealizada. Imagem corporal é a figura que temos em mente de nosso próprio corpo, em relação ao seu tamanho e à sua forma, e também o que pensamos e sentimos em relação a ele.

Muitos fatores influenciam na formação dessa imagem, entre eles: padrões de beleza divulgados e valorizados pela mídia, auto-estima, comparação entre a aparência de diferentes pessoas, entre outros.

Com as mudanças sociais, culturais e econômicas que ocorreram no último século, o corpo magro e definido passou a representar o ideal de beleza para homens e mulheres, e o excesso de peso começou a ser discriminado e rotulado de forma pejorativa.

Com a valorização da estética, pessoas insatisfeitas com o seu corpo utilizam diversos artifícios para atingir a forma física ideal. Porém, essa busca, quando não orientada por um profissional, pode levar a comportamentos perigosos para a saúde como, por exemplo, o uso de anabolizantes, dietas milagrosas, uso de laxativos e diuréticos e pode culminar com quadro de anorexia e/ou bulimia.

Por isso, quando a preocupação e insatisfação com o corpo for exagerada é necessário procurar ajuda de uma equipe multidisciplinar especializada (médico, psicólogo, nutricionista, entre outros) na identificação e conduta do que é realmente ideal.

O papel do nutricionista dentro dessa equipe é avaliar o real estado nutricional através de instrumentos específicos como a balança, a fita métrica, o compasso de dobras cutâneas, o estadiômetro, a bioimpedância - um aparelho capaz de avaliar a quantidade de gordura, massa magra e água no corpo.

A busca por um corpo saudável deve ser baseado em estilo de vida adequado (alimentação saudável, prática de exercícios físicos, atividades de lazer, etc) e da preservação do que temos de mais valioso: nós mesmos.


Fonte:  www.alessandracoelho.com.br

terça-feira, 19 de outubro de 2010

OS BENEFÍCIOS DA PIMENTA

Pesquisadores do mundo todo não param de descobrir que a pimenta, tanto do gênero piper (pimenta-do-reino) como do capsicum (pimenta vermelha), tem qualidades farmacológicas importantes.
Segundo o médico homeopata Marcio Bontempo, autor do livro Pimenta e seus Benefícios à Saúde, além dos princípios ativos capsaicina e piperina, o condimento é muito rico em vitaminas A, E e C, ácido fólico, zinco e potássio. Tem, por isso, fortes propriedades antioxidantes e protetores do DNA celular. Também contém bioflavonóides, pigmentos vegetais que previnem o câncer.
Graças a essas vantagens, a planta já está classificada como alimento funcional, o que significa que, além de seus nutrientes, possui componentes que promovem e preservam a saúde. Hoje ela é usada como matéria-prima para vários remédios que aliviam dores musculares e reumatismo, desordens intestinais e na prevenção de arteriosclerose.

Apesar disso, muitas pessoas ainda têm receio de consumi-la, pois acreditam que possa causar mais mal do que bem. Se você é uma delas, saiba que diversos estudos recentes têm revelado que a pimenta não é um veneno nem mesmo para quem tem hemorróidas, gastrite ou hipertensão.

DOENÇAS QUE A PIMENTA CURA E PREVINE


Baixa imunidade - A pimenta tem sido aplicada em diversas partes do mundo no combate à AIDS com resultados promissores.

Câncer - Pesquisas nos Estados Unidos apontam a capacidade da capsaicina de inibir o crescimento de células de tumor maligno na próstata, sem causar toxicidade. Outro grupo de cientistas tratou seres humanos portadores de tumores pancreáticos malignos com doses desse mesmo princípio ativo. Depois de algum tempo constataram que houve redução de 50% dos tumores, sem afetação das células pancreáticas saudáveis ou efeitos colaterais. Já em Taiwan os médicos observaram a morte de células cancerosas do esôfago.

Depressão - A ingestão da iguaria aumenta a liberação de noradrenalina e adrenalina, responsáveis pelo nosso estado de alerta, que está associado também à melhora do ânimo em pessoas deprimidas.

Enxaqueca - Provoca a liberação de endorfinas, analgésicos naturais potentes, que atenuam a dor.

Esquistossomose - A cubebina, extraída de um tipo de pimenta asiática, foi usada em uma substância semi-sintética por cientistas da Universidade de Franca e da Universidade de São Paulo. Depois do tratamento (que tem baixa toxicidade e, por isso, é mais seguro), a doença em cobaias foi eliminada.

Feridas abertas - É anti-séptica, analgésica, cicatrizante e anti-hemorrágica quando o seu pó é colocado diretamente sobre a pele machucada.

Gripes e resfriados - Tanto para o tratamento quanto para a prevenção dessas doenças, é comum recomendar a ingestão de uma pequena pimenta malagueta por dia, como se fosse uma pílula.

Hemorróidas - A capsaicina tem poder cicatrizante e já existem remédios com pimenta para uso tópico.

Infecções - O alimento combate as bactérias, já que tem poder bacteriostático e bactericida, e não prejudica o sistema de defesa. Pelo contrário, até estimula a recuperação imunológica.

Males do coração - A pimenta caiena tem sido apontada como capaz de interromper um ataque cardíaco em 30 segundos. Ela contém componentes anticoagulantes que ajudam na desobstrução dos vasos sanguíneos e ativam a circulação arterial.

Obesidade - Consumida nas refeições, ela estimula o organismo a diminuir o apetite nas seguintes. Um estudo revelou que a pimenta derrete os estoques de energia acumulados em forma de gordura corporal. Além disso, aumenta a temperatura (termogênese) e, para dissipá-la, o organismo gasta mais calorias. As pesquisas indicam que cada grama queima 45 calorias.

Pressão alta - Como tem propriedades vasodilatadoras, ajuda a regularizar a pressão arterial.

Reumatismo, artrite e artrose - Recomenda-se a aplicação de compressas quentes ou frias nas articulações, feitas com 250 gramas de pimenta vermelha socada e misturada a uma pasta de purê de inhame. Use uma vez ao dia até a melhora.

RECEITAS COM PIMENTA

Pimenta no Azeite de Oliva
1 xícara (chá) de azeite de oliva extravirgem
2 dentes de alho picados
1 colher (chá) de suco de limão
pimentas selecionadas à sua escolha

Retire as sementes e os talos das pimentas. Frite o alho no azeite até ficar levemente dourado. Coloque as pimentas em um vidro de conserva, deixando um espaço livre de 2 cm. Aqueça 1 xícara (chá) de azeite a 300o C. Enfie o cabo de uma colher no meio das pimentas e abra um buraco. Despeje o azeite quente lentamente, para que penetre. Complete o pote com azeite até atingir 0,5 cm da boca e tampe bem firme. Deixe esfriar naturalmente. Conserve na geladeira.

CONSERVA BÁSICA DE PIMENTA

Pimentas selecionadas de sua escolha
2 copos de vinagre branco
1 colher (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de sal
Faça uma calda com o vinagre, o sal e o açúcar, levando essa mistura para ferver por dois minutos. Faça o branqueamento das pimentas cozinhando-as no vapor, sem que fiquem muito moles. Coloque-as num vidro esterilizado e jogue a calda quente por cima. Deixe esfriar, tampe e conserve na geladeira.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

A batata frita é um pesadelo nutricional

Depois de fazer uma extensa pesquisa para descobrir quais são os alimentos mais saudáveis, o nutricionista americano faz uma lista dos alimentos de que devemos passar longe.


O Dr. Jonny Bowden, Nutricionista e Psicólogo, autor dos livro Os 150 Alimentos mais Saudáveis do Planeta, fez uma lista dos alimentos que podem causar os maiores danos à nossa saúde - seja pela concentração de substâncias nocivas ou pela ausência completa de nutrientes necessários ao funcionamento de nosso corpo.

O ponto comum entre os piores alimentos listados pelo especialista é que todos são industrializados.

Confira alguns alimentos da lista que você deve excluir do seu cardápio ou consumir com muita, muita moderação:

 
\

Batata frita: são fritas em óleo vegetal, que é reutilizado inúmeras vezes, o que aumenta a concentração de gorduras trans, o tipo mais perigoso para a saúde. A batata, em termos nutricionais, é como uma tigela cheia de açúcar. "O prato é um pesadelo nutricional", diz Bowden.







Refrigerantes: são cheios de açúcar e outros produtos químicos. Os refrigerantes dietéticos também devem ser evitados porque estão repletos de produtos químicos e adoçantes artificiais, que não considero saudáveis.





Salgadinhos industrializados: não têm valor nutricional nenhum e são repletos de gorduras trans, sódio e açúcares, todos elementos prejudiciais à saúde.







Algodão-doce: além de ser puro açúcar, tem corantes artificiais. É um alimento que não deveria existir, segundo o especialista.




 


Pão branco: é um alimento com valor nutricional nulo - tem apenas carboidratos, o que quer dizer que ajuda apenas a aumentar a conta de calorias. Prefira, sempre, pão integral.









"Quero dizer às pessoas que é possível comer bem, sofisticadamente, explorando inúmeras nuances de sabor e ainda assim ser saudável", disse, no lançamento da obra, o  Jonny Bowden. Portanto, vale estarmos sempre atentos ao que ingerimos, se as refeições que fazemos, diárias, desempenham de fato um papel de ‘aliadas’ de nossa saúde.

sábado, 9 de outubro de 2010

DIÁRIO ALIMENTAR

Manter um diário alimentar é um excelente primeiro passo para avaliação de como você come e por que você come de determinado jeito. Isso irá ajudar você a encontrar problemas atuais e descobrir a raiz deles. No final, o diário também ajudará a elaborar um plano alimentar mais adequado para você. Aqui estão algumas coisas que você pode anotar em seu diário alimentar:
·         Avaliar motivos pelos quais você come muito (ao invés de uma fome real)
·         Mostrar o grau de apetite e/ou compulsão
·         Analisar os seus tamanhos de porção
·         Avaliar seu humor e sentimentos após comer
Foco em Porções
Se você não sabe adivinhar de onde vem seu peso extra, pode ser algo que você esteja comendo em excesso e ainda não sabe. Se você senta com um grande saco de batatinhas fritas e acaba com ele, pode ser uma causa. Mas talvez você esteja pegando as batatinhas em punhados – talvez você não tenha percebido que está comendo o saco inteiro! Registrando um diário alimentar irá ajudar você a ser honesta com você mesma. Você pode enganar algumas pessoas por algum tempo, mas você pode enganar a si mesma o tempo todo se você se esforçar!
Foco em Sentimentos
Se seu foco é mais nas razões do por que você come do jeito que come, você pode investir algum tempo refletindo mais em seu diário. Depois de comer, escreva porque você comeu (fome, aborrecimento, etc.) e como você se sentiu depois (culpada, merecedora, etc.). Você talvez queira criar uma escala de 1 a 4 mostrando o quão ruim sua ânsia estava. Talvez você deva tomar nota de que horas você come mais e, portanto poderá planejar ajustar algumas outras atividades no futuro para fazer sua mente esquecer a comida.
Aqui estão alguns exemplos de perguntas que você deve responder quando come:
·         Como você estava se sentindo antes de comer?
·         Você estava se sentindo “com fome?”
·         Com quem você estava?
·         Você comeu com pressa ou calmamente?
·         Você consegue se lembrar de tudo que comeu?
·         Você conseguiu seguir estritamente o cardápio? Teve algum alimento que não estava prescrito e que você consumiu?
·         Você estava fazendo alguma atividade enquanto estava comendo?
·         Como você se sente agora (ex.: satisfeita, saudável, culpada)?
·         Como esta sua função intestinal (normal, lenta, consistência pastosa, ressecado)
·         Você conseguiu urinar bem?coloração? notou que ingeriu mais de 2 litros de água?
·         De uma forma geral, esta foi uma experiência positiva ou negativa?
Observando suas emoções e as razões do porquê você estava comendo, com quem você estava, o que estava fazendo, etc. você estará apta a avaliar se você estava ou não comendo por impulso, comendo emocionalmente ou se você tem o hábito de comer quando está com certas pessoas, etc.
Quando você ver tudo o que pode fazer com um diário alimentar, não terá razões para não fazê-lo! Comece agora mesmo! Você não precisa esperar por um dia especial ou refeição especial. Apenas faça.

domingo, 3 de outubro de 2010

ALIMENTAÇÃO DO IDOSO

A população brasileira está envelhecendo. Hoje, no Brasil, há 18 milhões de idosos no país, o que corresponde a pouco mais de 10% do total da população. Estima-se que, em 2025, essa porcentagem corresponda a 14%.

É preciso aceitar essa fase como um importante capítulo do livro da vida. Então, como se manter bem, mesmo na presença de algumas doenças crônicas, tão comuns nessa faixa etária?

Segue abaixo algumas Dicas:

• Adequar os hábitos alimentares, introduzindo diariariamente alimentos antioxidantes (frutas cítricas), linhaça, aveia, e ingestão de aproximadamente 30% de fibra (frutas e verduras), diminuindo as gorduras saturadas (frituras, carnes gordas), retardará o processo de envelhecimento;
• Faça o tratamento de reabilitação de seqüelas ocasionadas por alguma doença crônica com acompanhamento médico e/ou profissional da saúde adequado;

• Mantenha hábitos saudáveis: não fume, não beba em excesso, evite ambientes com ruídos intensos e exposição solar sem proteção.
• Pratique uma atividade física. Isso ajuda a melhorar a sua condição física, dá mais disposição, ajuda a controlar doenças como hipertensão, diabetes e colesterol alto, diminuindo o estresse, a depressão e o isolamento.

• Tenha um sono adequado, em torno de 8 horas diariamente: dormir bem ajuda a manter o corpo em bom funcionamento.

• Pratique atividades de lazer, como passear, ir ao cinema, ao teatro, viajar, fazer amigos e dançar. Enfim, tenha como lazer aquilo que lhe dá prazer.

• Mantenha a sexualidade: não valorize apenas o ato sexual. Lembre-se de que o contato e o afeto são muito importantes.

• Tenha metas e objetivos. Planeje o seu futuro. Participe de decisões pessoais, familiares e sociais.

• Não deixe de ter atividades intelectuais. Leia muito, faça cursos, esteja por dentro dos assuntos que acontecem no mundo. Isso contribui para preservar a sua memória.

• Tenha fé, acredite em algo, cultive a espiritualidade. Estudos mostram que são úteis para manter o equilíbrio mental.

Um estilo de vida saudável com medidas simples, como as apontadas acima, podem fazer a diferença e proporcionar melhor saúde e bem-estar.